avaedoc

Início » 2018 (Página 2)

Arquivo anual: 2018

16ª Sessão Especial Semana da Visibilidade Lésbica e Bissexual

WhatsApp Image 2018-08-30 at 16.30.57

Dia 31/08/2018, sexta-feira, foi exibido na Praça dos Ventos (Campus IV da UFPB, Rio Tinto/PB), o filme etnográfico “Gosto mais que lasanha” (41 min), da professora Drª. Luciana Ribeiro.

Uma sessão especial dedicada à Semana da Visibilidade Lésbica e Bissexual, realizada ao ar livre.

Foi uma ocasião muito bonita em que as pessoas presentes se emocionaram e debateram sobre uma data tão importante, ocupando consideravelmente bem a Praça dos Ventos.

O filme suscitou ainda sorrisos e empatia para com as histórias contadas no filme, inspirando-nos para realizar novas sessões na Praça dos Ventos futuramente.

Confira abaixo algumas imagens desse momento tão especial!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Gente presente: Adneuse, Amanda, Ananas, Caio, Carlos, Fernanda, Gabriela, Geraldo, Guilherme, Heloísa, João Vitor, José Ailton, Juscelino, Márcia, Marilayne, Melba, Mércia, Murilo, Rafael, Samara, Sofia, Thiago, Welando.

Encontro em 16ago2018 – Local: Arandu

Pauta de hoje:

1. Reflexões e experiências da estudante Janaina Santa Cruz, selecionada para a oficina de roteiros do projeto JABRES, realizada na cidade de Serra da Raiz, no interior da PARAÍBA (em 2016 tivemos outro estudante selecionado dentro do mesmo projeto, experiência que resultou na inserção de seu filme sobre os cinemas do Vale do Mamanguape, defendido junto ao TCC, no circuito das Mostras SESC de cinema na Paraíba);

2. Reflexões, experiências e propostas para pensar a reformulação de ementas/disciplinas dentro da atual proposta da atual Coordenação do Curso no sentido de reduzir de 6 para 4 as disciplinas que compõem a área de formação em antropologia visual.

Gente presente: João, Oswaldo, Glauco, Vitor, Janaina, Claudionor, Caio, Ana Margarida, Gabriela

II MOSTRA ARANDU DE FILMES ETNOGRÁFICOS

Neste mês de setembro temos a satisfação de apresentar a II Mostra Arandu, clique AQUI para maiores informações.

Encontro em 2ago2018 – Local: Arandu

Revisão da agenda dos próximos encontros (16ago, 20set, 4out, 18out) e eventos (AVAL 3-7set) (Festival de Cinema do Vale 28-30set). Seminários convidados previstos (simultaneamente como mini-curso do projeto Cinema do Vale): Juliana Crelier (cinema s-8 na PB), Eduard Alves/ Glauco Machado/ Pesquisadora da dança (Cavalo Marinho), Tony Elibio, Fernando Trevas; pesquisas internas: Janaína, Raíssa, Claudionor.

Trabalho para o Canal Futura com dona Zefina (Rafaela, Caio, Muniz, Melba), reflexões sobre a pré-produção, primeiras filmagens e dimensões éticas (custeio, cachê para atores naturais, distribuição).

AVAEDOC no IUAES em jul2018, antropologia visual no Brasil e o lugar da experiência de Rio Tinto nesse cenário, reflexões sobre os painéis e trabalhos vistos/apresentados.

João, Vitor, Diego, Rafaella, Gabriela, Oswaldo, Claudionor, Glauco.

Festival de Cinema do Vale

Quarta-feira (25/07/2018) teremos a III Mostra, com o filme “O senhor do castelo”, de Marcus Vilar. 37829973_925768504298439_6155186544647864320_n.jpg

Encontro em 12jul2018 – Local: Arandu

Preparação e reflexões sobre participações do AVAEDOC no 18º Congresso da União Mundial de Ciências Antropológicas e Etnológicas (IUAES). 3 atividades contam diretamente com pesquisas desenvolvidas por aqui, são os painéis abertos 165 (sobre ensino de antropologia visual, com apresentações de Caio, João e Oswaldo), 192 (sobre antropologia visual e colonialismo, coordenado por João [e Gabriela Zamorano], com apresentação do Caio) e 022 (sobre antropologia do cinema, coordenado por Lara Amorim [e outros], com apresentação de Muniz). Luciana Ribeiro também vai apresentar trabalho e lançar livro publicado a partir de outro grupo de pesquisa, nossos parceiros do GUETU. Vitor vai trabalhar como monitor na área de tradução, Caio e Muniz também vão fazer monitoria no evento. Essa associação mundial presidiu o encontro de Chicago, em 1973, do qual surgiu a pioneira publicação Principles of Visual Anthropology (1975), com artigos de Margaret Mead, Jean Rouch, Jorge Prelorán, etc.. Nosso filme Memórias Retomadas foi incluído na programação especial sobre antropologia visual no Brasil. Para nós será um oportunidade muito especial e gratificante.

Organização da agenda dos próximos encontros: 2ago, 16ago, 13set, 27set, 4out, 18out, com previsão de convidados, a saber: Juliana Crelier (Cinema super-8 na PB), Eduard Alves (Cavalo Marinho), André Dib (história dos cinemas). Outros pesquisadores externos que esperamos receber: Fernando Trevas, Tony Elybio. E ainda nossos pesquisadores concluintes ou já concluídos: Janaína, Raíssa, Claudionor.

Apreciação do vídeo “Vinil verde” de Kleber Mendonça filho.

Gente presente nesse dia: João, Glauco, Felipe, Nathália, Rafaella, Oswaldo, Vitor, Caio

Dissertação: Performances da Fanfarra no Contexto do Desfile Cívico de Rio Tinto (em andamento)

Mestrando: Caio Nobre Lisboa.

Professor orientador: João Martinho Braga de Mendonça.

 

Resumo

 

Em Rio Tinto, dentre os meses de julho a setembro, bandas marciais, fanfarras e bandas de música se reorganizam, ensaiam e competem entre si por ocasião dos desfiles cívico-militares da semana da pátria e de encontros de bandas realizados em outras cidades após ou anteriormente ao sete de setembro. Esta pesquisa se concentra em uma fanfarra em particular, a Fanfarra Antônia Luna Lisboa acerca dos conflitos que surgem da busca desses jovens em expressar a si mesmos, com seus gostos musicais, fardas, corporalidades e performances, no contexto de uma comunidade musical e ritual tradicionalmente mais contida. Desse modo, procuramos entender o que seria uma “carnavalização” de fanfarras, identificando e comparando as semelhanças e diferenças da Luna em diferentes situações de performance através do registro de áudios, fotografias e vídeos.

TCC: Ofício e performance do músico no desfile de sete de setembro de Rio Tinto (2016)

Aluno: Caio Nobre Lisboa.

Professor orientador: João Martinho Braga de Mendonça.

Avaliadores: Oswaldo Giovannini Júnior; Kelly Emanuelly de Oliveira.

 

Resumo

 

Dedicado a Bandas Marciais, Fanfarras e Bandas de Música do Município de Rio Tinto – PB, o presente trabalho parte da interlocução com um músico dessa cena musical da cidade, em um intento que exigiu um aporte teórico interdisciplinar: começando pelas imagens, através da Antropologia Fílmica de Claudine de France; em seguida, com a Música e a Arte, apresentando outras implicações relativas ao conhecimento da sociedade e das culturas, assentado nos estudos de performance de Richard Schechner; e por fim, fundamentado nos estudos sobre Memória, incluindo ainda os estudos de Histórias de Vida e Etnobiografia. Os objetivos residiram, em suma, em discorrer sobre a importância dessa cena musical no contexto do desfile Cívico, sobre o que essas bandas significam e transmitem da e para a sociedade, as relações que constituem, os espaços que se utilizam e as mudanças que se operam e anunciam por elas. Igualmente, a metodologia entrecruzou aspectos de outras, dentre as quais se destacam a observação participante, a observação diferida, a metodologia exploratória em Antropologia Visual e a história oral. Com resultados desde a obtenção de materiais audiovisuais e fotografias de performances musicais, destacando-se os desfiles cívicos de Primeiro e Sete de Setembro da cidade, bem como transcrições de áudio de duas entrevistas de áudio-vídeo-elicitação, retornado ao interlocutor, e finalmente, um trabalho escrito e audiovisual finais, orientados a um conhecimento e análise desse universo a mim apresentado da forma mais acurada e ética possível.

Palavras-chave: Antropologia Visual; Estudo de Performances; Música; Desfile Cívico.

 

________________________________________________________________

 

Abstract

 

Dedicated to Marching Bands, Fanfares and Brass Bands of the County of Rio Tinto – PB, the present work starts of the interlocution with a musician of this musical scene of the town, in an intent who demanded an interdisciplinary theoretical framework: starting out by images, across the Filmic Anthropology of Claudine de France; in followed, with the Music and Art, presenting other implications relative to the society and cultures knowledge, seated on performance studies by Richard Schechner; and lastly, grounded on studies memories, further including the studies of Life History and Etnobiography.  The objectives resided, in short, in expatiate about the importance of this musical scene in the context of the civic parade, about what these bands means and transmit from and to society, the relationships that constitute, the spaces that used itself and the changes that operate itself and advertise for them. Equally, the metodology crisscrossed aspects of others, among which stand out the Participant Observation, the Deferred Observation, the exploratory methodology in Visual Anthropology and the Oral History. With results since getting audiovisual materials and photographs of musical performances, highlighting itself the civic parades of First and Seventh of September of the town, well as audio transcripts of two audio-video elicitation interviews, returned to the interlocutor, and finally, a final written work and audiovisual, oriented to a knowledge and analysis of this universe for me presented in the more accurate and ethical way possible.

 

Keywords: Visual Anthropology; Performance Studies; Music; Civic Parade.

 

Link para o trabalho audiovisual integrante:

A música e as bandas no contexto do desfile cívico de Rio Tinto – Legendas em Português

 

Introdução à Antropologia Visual

A disciplina de Introdução à Antropologia Visual traz seu conteúdo a produção de pequenos ensaios audiovisuais como requisito básico do seu processo de aprendizagem. Aprender na prática aquilo que aprendemos teoricamente com os clássicos da Antropologia Visual.

A turma desenvolve diversos microdocumentários de 3 a 5 minutos através dos quais experimenta a etnografia visual, pesquisando, filmando, editando e repensando seu processo de aprendizado antropológico no encontro com as outras pessoas mediado pela câmera.

Assistam aos filmes através do nosso canal:

Introdução à Antropologia Visual

 

AVAEDOC NO VIMEO

Alguns de nossos vídeos, resultados de pesquisas e atividades com a gente do AVAEDOC, estão disponíveis aqui nesse endereço eletrônico da plataforma “vimeo”: AVAEDOC on VIMEO